Caso Diego Ribas e a reflexão sobre o papel do treinador
Futebol Interativo
Carregando...

01-07-22 |

Caso Diego Ribas e a reflexão sobre o papel do treinador

Compartilhe img

Caso Diego Ribas e a reflexão sobre o papel do treinador


Olá, camaradas! Espero que estejam todos bem. No texto desta semana quero refletir sobre o papel do treinador de futebol com base em um caso que deu muito bafafá nas redes sociais.

Na partida contra o Tolima, pela ida das oitavas de final da Copa Libertadores da América, o técnico do Flamengo, Dorival Júnior, optou por colocar Diego Ribas no time titular. O camisa 10 da Gávea começou jogando apenas quatro vezes ao longo da temporada.

Além deste ponto destacado, Diego não vem entrando bem. Normalmente, após sua entrada, o meio-campo do Flamengo “some” no seu setor. Se entra em função mais ofensiva, o time perde organização. Se entra em função defensiva, a equipe deixa espaços.
Diante de atuações ruins, o jogador é contestado pela torcida. Só que, mesmo com este cenário, Dorival optou por escalar Diego Ribas. O resultado foi um jogador que não foi bem, como de costume, deixando o time exposto, já que entrou na função de primeiro volante. Não ajudava na marcação, nem fazia bem a saída de bola.

+ Já conhece o FutClass? Assine e tenha acesso a mais de 20 cursos nas diversas áreas do mercado do futebol.

A escolha de Ribas, baseado em informações divulgadas na imprensa que cobre o dia a dia do Flamengo, foi simples: Dorival não queria mexer no desenho tático da equipe. Desde que chegou ao Ninho do Urubu, escala três volantes. Com base neste histórico, te pergunto leitor(a): vale a pena colocar um jogador questionado apenas para manter o esquema? A resposta, para mim, é não.

Dorival Júnior não tem um esquema próprio no Flamengo. Chegou no meio da temporada, encarou uma rotina de dois jogos por semana e pouco teve tempo para treinar, segundo palavras do próprio treinador. Ou seja, essa história de “manter o desenho tático” é questionável. Segundo que o Flamengo é uma equipe acostumada a jogar com dois volantes. Ou, em alguns casos, apenas um. A entrada de mais um atacante, ou meia, não mudaria o estilo de jogo do time.

+ Conheça o canal Tática Didática. Acesse aqui!

Ao forçar a entrada de um jogador que não vem bem, Dorival colocou em risco toda a equipe do Flamengo. Até porque, a função de Diego era primordial: fazer a saída de bola e ser o homem que evita que os atacantes adversários cheguem aos zagueiros rubro-negros. O que se viu em campo foi um time que errou diversas saídas de bola. Por milagre, e falta de capacidade técnica, o Tolima não arrancou um empate, ou até mesmo uma vitória.

Nestes tempos em que os treinadores têm muito espaço na mídia, e a responsabilidade dos resultados caem em suas costas, é importante destacarmos algumas reflexões que podem pautar a imprensa e até mesmo os torcedores. Diante de tudo isso, o que acha? Dorival acertou, ou, como eu, optaria por outra escolha?

COMENTÁRIOS

COLUNISTA FI

Matheus Brum Ver mais desse colunista

Vanessa

Eu Vanessa Acho esse blog engraçado. E descobri um bom site BR.nowgoal que oferece bons dados dos jogos esportivos, compartilhando palpites e previsões de futebol com boa qualidade br.nowgoal.com

16/08

Quero ser um colunista FI