Por que os clubes devem investir em media training nas categorias de base?
Futebol Interativo
Carregando...

25-08-22 |

Por que os clubes devem investir em media training nas categorias de base?

Compartilhe img

Por que os clubes devem investir em media training nas categorias de base?


Quando falamos em categorias de base dentro do futebol, é natural que o pensamento seja direcionado à formação do atleta em termos físicos, técnicos e táticos. Automaticamente, pensamos na formação de jogadores que possam contribuir dentro de campo e fora dele – especialmente no lado financeiro.

É claro que esses fatores são fundamentais. Mas existem outros quesitos no processo de formação do atleta que precisam ser trabalhados dentro das categorias de base – até porque falamos não somente na formação de jogadores, mas de profissionais e, especialmente, de seres humanos. Um destes fatores é a comunicação.

Nesse contexto, um trabalho de assessoria de imprensa implementado desde as categorias mais jovens, como sub-13 ou sub-15, pode fazer total diferença na formação do atleta. Acompanhar o desenvolvimento quando o assunto é comunicação pode fazer uma grande diferença na sequência da carreira dos jovens jogadores. Especialmente com o avanço e presença cada vez mais constante das redes sociais na nossa rotina e nos processos dos clubes de futebol.

+ Conheça a nossa Especialização em Comunicação e Marketing e prepare-se para o mercado!

Na mesma proporção, cresce a visibilidade para as equipes – e atletas – das categorias de base, especialmente dos clubes de ponta no cenário nacional (e quando falamos em clubes de ponta no Brasil, consideramos os 40 times que compõem as séries A e B). As competições já contam com transmissões em rede nacional, muitas vezes em TV aberta. Sem falar nos inúmeros sites, blogs e páginas nas redes sociais destinadas exclusivamente ao acompanhamento das divisões de base.

E é aí que ligamos o alerta – e respondemos à pergunta do título desse texto. São poucos os clubes brasileiros que realizam um trabalho de comunicação e assessoria de imprensa nas categorias de base. Muitos deles sequer comunicam os resultados das partidas.

Em uma realidade em que as redes sociais dominam a rotina no futebol e as categorias de base vivem grande exposição, trabalhar esse contato midiático com os atletas em formação se torna fundamental. Primeiramente, porque os atletas em formação já são ativos do clube – especialmente das categorias mais próximas ao profissional, como sub-20 e sub-17 – e precisam trabalhar bem a imagem pública para não trazer prejuízos ao clube e à própria carreira.

Além disso, o atleta necessita saber se comunicar. Precisa construir não só uma imagem positiva perante os torcedores e à opinião pública. É fundamental que ele se habitue com a presença de jornalistas no dia a dia do clube e construa também um bom relacionamento com a imprensa – são fatores fundamentais para a gestão de crise, que são inevitáveis no futebol.  O atleta em formação precisa treinar não apenas fundamentos técnicos e táticos, mas também como se portar em uma entrevista. Precisa entender como funciona a imprensa esportiva local e nacional e como evitar que a convivência com repórteres e setoristas se torne um peso no dia a dia.

Outro fator primordial: o comportamento nas redes sociais. Os jovens precisam de orientação profissional para fazer das contas em Instagram, Twitter e etc sejam algo positivo na carreira, e não a brecha para crises. Poderíamos citar dezenas de exemplos de atletas – inclusive profissionais – que tiveram as carreiras manchadas e até mesmo finalizadas de forma precoce por conta de um mal comportamento nas redes sociais.

Nesse sentido, é necessário ter cuidado não apenas com as contas pessoais. É importante frisar que a produção e distribuição de notícias deixou de ser uma exclusividade dos jornalistas – qualquer pessoa com um celular pode produzir e publicar conteúdo, que pode se tornar viral em questão de segundos. E um atleta, ainda que em processo de formação, representa o clube mesmo fora dos horários de jogos ou treinos. Por isso, evitar comportamentos inadequados em sociedade – nos passeios com família e amigos, por exemplo – também deve ser um ponto trabalhado nesses jovens atletas.

Para finalizar, ressaltamos, mais uma vez, que o trabalho de comunicação e assessoria de imprensa deve ser aperfeiçoado e executado de forma contínua nos clubes desde as categorias de formação, para que esses atletas se desenvolvam dentro e fora de campo. Que eles sejam motivo de alegria não apenas pelos resultados técnicos e financeiros que possa proporcionar, mas também pelo ganho de imagem que ele representa à instituição.


Foto: Patrick Floriani/FFC
COMENTÁRIOS

COLUNISTA FI

Andrey de Oliveira Ver mais desse colunista

0 comentários

Essa publicação ainda não tem comentários.

Quero ser um colunista FI